O ecossistema Masayoshi Son e as startups japonesas

Os ícones do ecossistema japonês

Depois de escrever sobre o Ecossistema de negócios brasileiros no Japão, e 20 Startups e investidores japoneses, vou aprofundar a análise dos pós-IPO’s das startups japonesas e porque a tese de “IPO as a series B” funciona no Japão.

O ecossistema japonês tem mais valor depois dos IPO’s. E o valor cresce de forma exponencial quando os founders retornam o capital, investindo nas startups.

Esse é o caso de Masayoshi Son, que hoje o mundo conhece pelo seu Softbank Vision Fund. Os brasileiros no Japão, o conhecem desde 2006, quando ele comprou a Vodafone e 2007, com a venda do iPhone no arquipélago.

Os americanos talvez conheçam ele de 1996, quando investiu no Yahoo. Formando o Yahoo Japan. E os chineses em 2000, quando investiu no Alibaba.

Os ingleses talvez se surpreenderam quando ele comprou a ARM em 2016. E os brasileiros em 2017 quando ele investiu na 99.

O mito Masayoshi Son, representa um ecossistema inteiro. E tudo começou quando ele vendeu seus primeiros projetos patenteados, ainda na faculdade em 1977, e arrecadou $3.2M em 8 meses. Voltou para o Japão e iniciou a história da Softbank, com o conceito de banco de softwares, fez IPO e depois iniciou diversos investimentos no setor de TI.

Seu irmão mais novo, Taizo Son, também agrega valor ao ecossistema com sua empresa de investimentos Mistletoe.

Outro ícone japonês e um dos fundadores da internet no Japão é Joi Ito, atual diretor do MIT Media Lab. Fundou a Digital Garage em 1994 e investiu tanto no ecossistema japonês, quanto no americano.

O diferencial japonês

Apesar da visão externa de que os japoneses não assumem riscos, a bolsa de valores de Tokyo, o mercado Forex no Japão e os 1M de investidores em Bitcoin provam o contrário. Veja o gráfico abaixo:

Número de investidores na bolsa de Tokyo
Image by JPX

São quase 50 milhões de investidores individuais japoneses, e os estrangeiros (443.483) representam cerca de 70% do total da B3:

Número de investidores na Bovespa B3
Image by Bovespa B3

Esse apetite por investimentos, tornam os IPO’s no Japão atrativos para as Startups. Que conseguem financiar seu crescimento com o investimento da população nipônica.

IPO’s de Startups da Jafco no Japão

Nos anos 90, haviam mais de 20 milhões de investidores individuais na bolsa de Tokyo e mesmo depois do “crash” do final da década anterior, os japoneses continuaram investindo. Uma das mais antigas VC’s do Japão, a Jafco, foi responsável por investir em startups que resultaram em 992 IPO’s até 2017. Listei algumas startups e marcas relevantes do histórico deles:

  • SEGA em 1986, marca de games. Valuation atual $3,34B.
  • Capcom em 1990, marca de games. Valuation atual $2,23B.
  • Taito em 1993, marca de games, delistada.
  • Softbank em 1994, histórico acima. Valuation atual $90B.
  • USS em 1999, rede de leilões de carros via satélite. Valuation atual $6,76B.
  • GMO em 1999, uma das primeiras empresas de internet a fazer IPO, 8 anos após sua fundação. Valuation atual $2,2B. Já retornaram investimento ao ecossistema com o fundo GMO Venture Partners, sucesso de 12 saídas (exits). Uma delas a Freakout, na lista abaixo.
  • Monex em 2000, uma das primeiras fintechs no Japão. Valuation atual $800M. Retornaram investimento ao ecossistema com o fundo Monex Ventures.
  • Cybozu em 2000, 3 anos após sua fundação, líder no setor no GPTW Japan. Valuation atual $292M.
  • Septeni em 2001, 11 anos após sua fundação, uma das startups mais internacionalizadas do Japão. Valuation atual $424M. Retornaram investimento ao ecossistema com a incubadora Septeni Ventures.
  • OPT em 2004, 10 anos após sua fundação, uma das maiores startups de mkt digital. Valuation atual $267M. Retornaram investimento ao ecossistema com o fundo OPT Ventures.
  • Klab em 2011, 11 após sua fundação, desenvolvedora de games. Valuation atual $608M. Retornaram investimento ao ecossistema com o fundo Klab Ventures.
  • Enigmo em 2012, 8 anos após sua fundação, um dos maiores marketplaces de marcas estrangeiras de moda no Japão com 4M de usuários. Valuation atual $216M.
  • Colopl em 2012, 4 anos após sua fundação, grande desenvolvedora de games. Valuation atual $1,39B.  Retornou investimento através de vários fundos de investimento.
  • Cyberdyne em 2014, 10 anos após sua fundação, produz materiais de robótica para medicina. Valuation atual $2,39B. Retornou investimento em startups de robótica.
  • Freakout em 2014, 4 anos após sua fundação, plataforma de publicidade digital. Valuation atual $312M. Retornou investimento em diversas startups.
  • Recruit HD em 2014, relistada na bolsa de Tóquio. Uma das empresas que mais produziu empreendedores e founders no Japão. Diversas startups foram formadas por ex-funcionários da empresa. Valuation atual $42,3B
  • FrutaFruta em 2014, 12 anos após sua fundação, marca de açaí. Única empresa relacionada ao Brasil listada na bolsa de Tóquio. Valuation atual $10,3M.
  • Gumi em 2014, 7 anos após sua fundação, desenvolvedora de games. Valuation atual $295M. Retornou investimento no ecossistema através do fundo Gumi Ventures.
  • Gunosy em 2015, 3 anos após sua fundação, app de notícias. Valuation $715M. Seu co-founder Shinji Kimura é um dos investidores de mais sucesso em saídas (IPO’s/M&A’s) no Japão.

Outro fundo de venture capital NTVC, fundado por um ex-manager da Jafco, investiu em 2000 na DeNA, plataforma de e-commerce e games. Valuation atual $3,18B. Retornou investimento em dezenas de startups. Seu co-fundador Shogo Kawada é um ativo investidor anjo e mentor.

Rakuten, conhecida pelos brasileiros, fez IPO em 2000, é uma das poucas japonesas globais. Valuation atual $12,8B. Além dos investimentos em startups, formou um ex-funcionário que fundou a GREE, startup de games com investimento da Globis e IPO em 2004. Valuation atual $1,56B. Retornou investimento em dezenas de startups japonesas, dentre elas a Giraffe, que no final de 2017 comprou a startup Peing (Q&A via Twitter). O impacto no ecossistema foi grande, porque a Peing havia sido lançada 1 mês antes, talvez o M&A mais rápido até hoje. Como serão os próximos M&A’s aqui?

Cyber Agent, a startup das startups, fez IPO em 2000, 2 anos após sua fundação. Valuation atual $5B. Retornou investimentos em startups além do Japão, na Asia e EUA.

Unicórnio japonês

Pela lista da CB Insights que começou a ser divulgada em 2009, só há 1 unicórnio no Japão, a Mercari. Com a Nubank na lista esse ano, o Brasil se equiparou ao Japão.

Mas os IPO’s das startups japonesas nos anos 90/2000 mostram uma tese válida de crescimento pós-IPO e reinvestimento no ecossistema. Movimento que ainda é tímido no Brasil.

O diferencial entre os dois países são os milhões de investidores PF japoneses. Que tornam o IPO um caminho a mais de saída no Japão do que apenas M&A no Brasil.

*Disclosure: Este blog é apenas informativo, não recomenda nenhum investimento. Suas ações são decorrentes da sua própria escolha.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s