Rate this post
1280px-Sugi_Pharmacy_Ayukawa
Sugi Pharmacy fonte: Wikipedia

Você gerenciaria um negócio com sua(eu) esposa(o)?

Os analistas da bolsa de valores japonesa não aceitavam a abertura de capital da rede de farmácias do casal Sugi. O motivo, diziam eles, era não haver confiança no bom relacionamento empresarial de um casal no comando dos negócios.

Mas antes da abertura de capital, vamos entender a história da Sugi Holdings.

Sugiura Hirokazu e Sugiura Akiko comandam a Sugi Holdings, rede de farmácias com 1.120 lojas. A primeira, fundada em 1976 na cidade de Nishio, província de Aichi, uma pequena localidade com menos de 180 mil habitantes e cerca de mil brasileiros, na região central do arquipélago japonês.

A DSJP Consulting participou da palestra em que o casal contou sua história de 42 anos trabalhando juntos.

Ao abrir a palestra, Hirokazu comentou que 70% a 90% do sucesso da empresa veio da esposa Akiko, por ela ser filha de comerciantes e entender melhor de vendas, mesmo ele sendo o Presidente da companhia.

Hirokazu lembra que chegaram a trabalhar 2 mil dias seguidos sem folga das 7 da manhã as 11 da noite. No estilo das conveniências 7/11. Nesta época, moravam no andar de cima da loja e dormiam poucas horas por noite. A loja era de apenas 16 tsubo (52.89m²) e atendia cerca de 10 pessoas por dia, com faturamento de ¥1.000/pessoa.

O esforço valeu a pena e em 1988 inauguraram sua segunda loja, bem maior, de 60 tsubo (198.34m²). A partir daí, começaram a aumentar o tamanho e o número de lojas, modelo de negócio repetitivo e escalável. As lojas hoje atendem cerca de 750 pessoas/dia.

O segundo passo na escalada foi a decisão de abrir o capital na Nasdaq Japan (parceria da Softbank+Nasdaq USA) em 1999, porém, a mãe de Sugiura foi contra. Além disso, foi difícil passar pelos avaliadores, que não confiavam numa administração gerenciada por um casal.

Mas em Junho de 2000, conseguiram fazer o seu IPO na Nasdaq Japan e logo no ano seguinte, nas outras duas bolsas de valores, de Nagoya e Tokyo.

Veja o crescimento exponencial de lojas depois de descobrir o modelo de negócios escalável:

Sugi Holdings
fonte: drug-sugi.co.jp

Akiko comentou sobre as ações de CSR (Responsabilidade Social Corporativa) e sua atuação para melhorar a saúde dos funcionários e clientes.

Dentre as quais:

  • Saída para os funcionários cuidarem dos filhos
  • Redução de horas trabalhadas para cuidar dos filhos
  • Ações com consultoras de beleza em asilos
  • Parceria com professores de universidades para melhorar a saúde dos cidadãos
  • Parceria com o governo para melhorar a saúde dos residentes

Outras ações importantes são a divulgação de materiais para melhoria da saúde dos clientes e a implantação de “Genki Center” ou locais de motivação para uma vida mais saudável.

Pois a população japonesa está envelhecendo e cada dia mais dependente de ajuda para viver. Em 2005, apenas 5% eram pessoas acima de 75 anos. Este percentual vai chegar a 20% em 2030 e 27% em 2055. Ela citou ainda a diferença entre moradores de Aichi que tem mais probabilidade de ter diabetes do que os de Tokyo por falta de praticar caminhadas. Um dos motivos é que os moradores de Aichi usam carro para fazer percursos curtos, enquanto os de Tokyo usam transporte público e precisam caminhar. Ela citou que percorre em torno de 5 mil passos diários, e mostrou seu marcador digital de passos.

Hirokazu comentou que a Sugi Holdings está entre as Top 25 empresas preferidas pelos universitários para trabalhar no Japão. E atende também pessoas de mais idade. Contratou funcionários como “Silver Associates” que ganham por produção, pois não tem a mesma agilidade dos jovens. Hoje são 540 senhores e senhoras nessa modalidade de contrato todos com mais de 65 anos.

Um participante perguntou sobre o sucesso do Sugi Point Card. Hirokazu respondeu que 42 anos atrás criou o modelo baseado em outra empresa do exterior, mas era uma novidade na época, não como hoje. O diferencial do seu point card é a duração de 10 anos e validade em qualquer loja do grupo no Japão. No total, são 12 milhões de clientes cadastrados no seu sistema de pontos (incluindo nós).

Para encerrar, Hirokazu disse que além deles, apenas o Coco Ichibanya foi fundado por um casal e está listado na bolsa de valores. E o diferencial maior é que os filhos fazem parte do corpo executivo da companhia atualmente. Um caso raro de uma empresa de capital público ser gerida por um casal e seus filhos.

Como cliente da Sugi Holdings, ficamos felizes em poder participar do evento e conhecer um casal simpático e humilde que comanda um grupo com mais de 5 mil funcionários e 1.120 lojas.

E você, acredita que um casal pode gerir um negócio com sucesso?

Deixe uma resposta