Rate this post
Japão dependente dos estrangeiros
Japão dependente dos estrangeiros

O novo Japão

O ano de 2019 será marcado por 2 eventos grandiosos dentro da história milenar do país do sol nascente.

  1. O mais importante deles será a renúncia do 125o. Imperador do Japão – Akihito. Ele encerra a era Heisei que iniciou em 8 de Janeiro de 1989 e irá até 30 de Abril de 2019.
  2. No mesmo mês de 2019 a nova lei de imigração entra em vigor, com a abertura para milhares de trabalhadores “blue collar” ou sem qualificação profissional. O governo prevê a entrada de 500 mil trabalhadores até 2025, ou seja, quase 100 mil estrangeiros a mais por ano.

Quais serão os impactos a partir de 2019 no Japão?

Os brasileiros, vieram ao Japão graças a lei de 1989, no início da era Heisei. A lei de entrada dos Nikkeys serviu para milhares de descendentes de japoneses latinos trabalharem nas fábricas japonesas. A comunidade brasileira chegou a 380 mil patrícios até 2008. Hoje, em torno de 185 mil.

O novo Japão, a partir de 2019 será mais dependente dos trabalhadores estrangeiros. No dia-a-dia nipônico, já notamos a presença de estrangeiros em lojas de conveniência e restaurantes. Mas há estrangeiros trabalhando em diversos outros setores como pesca e agricultura, dois setores que tem alto déficit de mão de obra.

O Nikkei, maior veículo de informação de negócios do Japão, publicou uma pesquisa da Mitsubishi UFJ Research & Consulting no site Nikkei Data.

Veja a tradução em língua portuguesa:

Quais locais houve crescimento da dependência dos estrangeiros (2009~2017):

  1. Okinawa 3.8x (1/112 pessoas subiu para 1/51)
  2. Fukuoka 3.2x
  3. Kagoshima 2.9x
  4. Hokkaido 2.9x
  5. Saga 2.8x
  6. Kagawa 2.8x
  7. Miyazaki 2.7x
  8. Chiba 2.6x
  9. Tokyo 2.5x
  10. Kochi 2.5x
  11. Kumamoto 2.5x
  12. Yamaguchi 2.4x
  13. Miyagi 2.4x
  14. Gunma 2.3x
  15. Aomori 2.3x
  16. Wakayama 2.3x
  17. Osaka 2.3x
  18. Saitama 2.3x
  19. Nagasaki 2.2x
  20. Ibaraki 2.2x
  21. Hyogo 2.1x
  22. Shimane 2.1x
  23. Kyoto 2.0x
  24. Tochigi 2.0x
  25. Kanagawa 2.0x
  26. Iwate 2.0x
  27. Toyama 2.0x
  28. Ishikawa 2.0x
  29. Fukushima 2.0x
  30. Niigata 1.9x
  31. Hiroshima 1.9x
  32. Okayama 1.9x
  33. Fukui 1.9x
  34. Ehime 1.8x
  35. Aichi 1.8x
  36. Yamagata 1.7x
  37. Oita 1.7x
  38. Tottori 1.7x
  39. Tokushima 1.6x
  40. Shiga 1.6x
  41. Nara 1.5x
  42. Nagano 1.5x
  43. Mie 1.5x
  44. Shizuoka 1.4x
  45. Gifu 1.4x
  46. Yamanashi 1.4x
  47. Akita 1.1x

Províncias tem maior proporção de estrangeiros em relação ao total:

  1. Tokyo 1/19
  2. Aichi 1/31 (Região com maior concentração de brasileiros)
  3. Gunma 1/34
  4. Mie 1/38
  5. Shizuoka 1/38
  6. Gifu 1/39
  7. Shiga 1/46
  8. Ibaraki 1/47
  9. Tochigi 1/48
  10. Hiroshima 1/50
  11. Fukui 1/53
  12. Toyama 1/56
  13. Osaka 1/60
  14. Kagawa 1/62
  15. Fukuoka 1/63
  16. Chiba 1/66
  17. Okayama 1/68
  18. Saitama 1/68
  19. Ishikawa 1/70
  20. Kanagawa 1/70
  21. Nagano 1/70
  22. Yamanashi 1/74
  23. Ehime 1/86
  24. Tokushima 1/88
  25. Kyoto 1/91
  26. Shimane 1/91
  27. Hyogo 1/91
  28. Saga 1/92
  29. Okinawa 1/95
  30. Yamaguchi 1/103
  31. Oita 1/105
  32. Kumamoto 1/114
  33. Nagasaki 1/120
  34. Tottori 1/126
  35. Miyagi 1/127
  36. Fukushima 1/141
  37. Kagoshima 1/144
  38. Hokkaido 1/145
  39. Kochi 1/146
  40. Niigata 1/155
  41. Miyazaki 1/157
  42. Iwate 1/164
  43. Yamagata 1/176
  44. Nara 1/182
  45. Wakayama 1/215
  46. Aomori 1/248
  47. Akita 1/291

Em relação as indústrias com maior proporção de estrangeiros (Dados de 2015):

  1. Hiroshima – 1 em cada 6 pescadores (entre 573 estrangeiros, 335 chineses, 117 filipinos e 59 vietnamitas)
  2. Kochi – 1 em cada 12 pescadores (entre 301 estrangeiros, 296 indonesianos, 2 vietnamitas e 1 chinês)
  3. Miyazaki – 1 em cada 13 pescadores
  4. Ishikawa – 1 em cada 18 pescadores
  5. Gifu – 1 em cada 18 operários de fábrica (13.644 estrangeiros)
  6. Shimane – 1 em cada 19 operários de fábrica (dos 2.430 estrangeiros, 1.149 brasileiros)
  7. Ibaraki – 1 em cada 21 agricultores
  8. Gunma – 1 em cada 21 operários de fábrica
  9. Mie – 1 em cada 21 operários de fábrica
  10. Kyoto – 1 em cada 23 mineradores
  11. Shizuoka – 1 em cada 23 oeprários de fábrica (dos 20.004 estrangeiros, 7.162 brasileiros)
  12. Aichi – 1 em cada 24 operários de fábrica (dos 37.915 estrangeiros, 11.575 brasileiros)
  13. Fukui – 1 em cada 25 operários de fábrica
  14. Aichi – 1 em cada 26 mineradores
  15. Tokyo – 1 em cada 27 no setor de hotéis e restaurantes

etc…

Fonte: https://vdata.nikkei.com/newsgraphics/dependence-on-foreign-workers/

 

Deixe uma resposta