Como calcular o valor de um site na internet?

valor de um site
Padrão
valor de um site

valor de um site

Acredito que muitas pessoas tem interesse em investir seu dinheiro em algum negócio na Internet. Talvez por ter assistido o filme do Mark Zuckerberg ou pela leitura de notícias de startups que em pouco tempo chegam a cifras de $ 1 bilhão, como foi o caso do Instagram, comprado pelo Facebook.

Há milhares de sites (sítios) na internet e filtrá-los é uma tarefa complicada. Poucos deles tem informações concretas para análise. Uma das formas mais simples para avaliar é o método múltiplo de comparação do mercado. Na internet, a base são os usuários ativos do site.

Dados dos maiores sites do mundo

  • AMAZON – Maior eCommerce do mundo, $ 13.18 bilhões em receitas (3Q 2012), mais de 164 milhões de consumidores ativos, desses, cerca de 12% usuários prime.
  • YAHOO JAPAN – Maior site do Japão, $ 1 bilhão em receitas (2012), sendo 35% pertencente ao Yahoo Inc. (US). 26 milhões de usuários registrados (ID) e 4.8 bilhões de pageviews mensais.
  • EBAY – Market place número 1 do mundo, com 112.3 milhões de usuários ativos e $ 3.8 bilhões em receitas (3Q 2012).
  • MERCADO LIVRE – Market place número 1 da América Latina, 73.2 milhões de usuários cadastrados, 1.29 bilhões em transações, R$ 88 milhões em receitas.
  • RAKUTEN – Maior market place do Japão, receitas de ¥ 443 bilhões (2012), ¥ 194 milhões de lucro líquido, 72 milhões de usuário cadastrados, 36 mil lojas, 410 mil pedidos/dia, 100 milhões de ítens no total. Para venda ao exterior são 1 milhão de ítens, 6 mil lojas e 80 milhões de consumidores.
  • LINKEDIN – Melhor cadastro de currículos do mundo, 202 milhões de usuários, $ 972 milhões em receita (2012).
  • FACEBOOK – 1.06 bilhões de usuários ativos, $ 1.6 bilhões de faturamento no quarto trimestre 2012.
  • INSTAGRAM – 90 milhões de usuários ativos e 4 bilhões de fotos, comprado em 9/abril/2012 por $ 1 bilhão
  • FOURSQUARE – 25 milhões de usuários ativos, 1 milhão de empreendimentos e 10.4 milhões usuários mensais, avaliado em $ 600 milhões

Dados dos sites via Quora.Com, links nos números e Expandedramblings.Com

ARPU

ARPU é mais usado pelas companhias telefônicas para calcular a receita média por usuário (RPU) ou em inglês – Average Revenue Per user (ARPU). No caso do Facebook, a média mundial por usuário em 2012 foi de $5.32, US e Canadá $ 13.58, na Europa $5.91, na Ásia $2.35 e no resto do mundo $ 1.84; quanto seria no Brasil?

Em 2011, um artigo da Billboard mostrava que a Amazon tinha $ 189 de ARPU, eBay $ 39, Google $ 24 e Facebook $ 4. Já neste fórum, os números de 2012 foram, eBay $ 57, Google $ 31, Linkedin $ 8, Yahoo $ 6 e Facebook $ 5. E pelos números acima, o Mercado Livre teria $ 5 também.

Continuando os cálculos de ARPU, o Yahoo Japan teve $ 38.46 em 2012, bem mais que o Yahoo USA.

O Rakuten em yen teria 6.153 ou $ 66, maior que o seu concorrente no Japão mas menor que a Amazon.

ROI

Return on investment (ROI) ou Retorno sobre o investimento, tem vários métodos complicados de cálculo, postarei aqui a formula mais simples. ROI = (Lucro líquido)/(Investimento). E o contrário ROI = (Investimento)/(Lucro líquido) obtém-se o tempo necessário para reaver o investimento. Seguindo esse exemplo, se investir ¥ 10 milhões e quiser ter o retorno do investimento em 5 anos, é preciso gerar ¥ 2 milhões de lucro líquido anual. Mas é bom relacionar as condições econômicas do país, os riscos e o tempo gasto (trabalho) para rentabilizar o valor investido.

No Japão, onde o salário mínimo hora está na faixa de ¥ 750, se trabalhar 8h por dia sem contar finais de semana, teria que ganhar ¥1.5 milhão no ano. Ou seja, para pagar seu trabalho, o lucro líquido + salário seria de ¥ 3.5 milhões.

Valores no Japão

Alguns dados para conseguir atingir os brasileiros no Japão.

  • Correio japonês = ¥ 80 uma carta simples
  • Google Japan = ¥ 10~¥ 60 um clique
  • Facebook Ad = ¥ 50~¥ 80 um clique
  • Impressos = ¥ 100 por leitor

Alguns números dos EUA.

Dados do Leilao.JP

  • 8 milhões de páginas vistas mensalmente.
  • 385 mil acessos x 21 páginas por acesso.

Sendo que destes, (85,86%) 330.000 são acessos que retornaram ao site depois da primeira visita.

No Japão estão 95% ou 313.500 acessos.

Do total, 55% acessam via dispositivo móvel. Pode ser que muitos usuários usem desktop em casa e mobile no trabalho para
acessar o que poderia gerar 156.750 usuários ativos no mês.

  • 47.700 usuários cadastrados.
  • 1.500 carros cadastrados.
  • 13.500 produtos .

Estimativas de preço de acordo com os números acima

  1. 170.000 visitas (mês) de sites de busca x $ 0,10 (valor médio adwords) x 12 meses = $ 204.000 ou ¥ 19.078.000
  2. 156.750 usuários ativos (mês) x $2 (valor mínimo ARPU das redes sociais) = $ 313.500 ou ¥ 29.318.500
  3. 47.700 usuários cadastrados x (1h=¥750) para conseguir cadastrar 1 pessoa = $ 382.700 ou ¥ 35.775.000
  4. Life Time Value of a Customer (LTV) = ¥ 5.000 x 1.000 x 10 = $ 535.000 ou ¥ 50.000.000
  5. Dollar Per Email (DPE) = 47.700 emails x $ 3 = $ 143.100 ou ¥ 13.380.000
  6. Preço de um site de carros com 840.000 visitantes únicos, $ 200.000 ou ¥ 18.700.000

A média de todos os 6 métodos é de $ 296.000 ou ¥ 27.700.000

Dica do Daniel, um sistema online que analisa o valor do site (Valuation), com base nos números do Alexa.

Estimativas para desenvolver um site com os mesmos números

  • Salário de 1 profissional de desenvolvimento e outro de marketing/vendas por 2 anos ¥ 15 milhões.
  • Custos operacionais e investimento em publicidade por 2 anos ¥ 10 milhões.
  • Soluções de problemas e monetização ¥ inestimável.

O grande diferencial do Leilao.JP é que ele segue a linha de sites User Generated Content (UGC) ou conteúdo gerado pelo usuário. É preciso ter um Content Management System (CMS) ou sistema de gerenciamento de conteúdo bem elaborado para que todos consigam usar e inserir seus textos e fotos de forma adequada. Nessa linha estão o Facebook, eBay, Mercado Livre e Orkut. As outras plataformas de e-Commerce ou Mídia precisam de profissionais para inserir conteúdo de qualidade que atraia visitantes para o site. Com isso, a despesa com RH é muito grande pois é necessário contratar especialistas, nem sempre disponíveis no competitivo mercado de TI.

Vídeo da Endeavour sobre valuation de startups

Aqui os especialistas discutem sobre valorização de empresas. São projeções sobre perspectivas de rentabilidade, ou seja, o lucro líquido que será gerado com o passar dos anos. Diferente da avaliação do site e o que ele pode gerar em termos de cadastros, cliques, posicionamento de SEO e custo/benefício de publicidade.

Quero comprar um site, como faço?

São três pontos a analisar, a plataforma, o conteúdo e o filtro. Eu gosto muito do Linkedin, pelo design, usabilidade e conteúdo de qualidade, quem sabe um dia eu compre um pedaço site. Se tiver alguma dúvida em relação a algum site, fale direto comigo no formulário abaixo:

O papel do gerente de marketing digital

Padrão

Estava visitando a seção perguntas no Linkedin e escolhi esta:

Qual o papel do gerente de marketing digital?

De acordo com Martha Gabriel, na sua palestra, Marketing na Era Digital, realizada em outubro/2011 no Japão, houve uma inversão no vetor de marketing. Antes, através das mídias tradicionais, as empresas buscavam os consumidores. Hoje, com a mídia digital interativa, os consumidores buscam as empresas e marcas. É preciso então, ESTAR em sincronia com as pessoas.

Acredito então que o papel principal não mudou, (só aumentou o trabalho rs) o que mais diferencia a plataforma digital hoje é a mensuração (alguém no dia, confundiu com menstruação). Quando você trabalha com mídias “analógicas” ou “convencionais”, há uma grande dificuldade para medir os resultados.

No meio digital, as ferramentas disponibilizadas são inúmeras e a cada dia mais rápidas e precisas.
É essencial que todas as pessoas que trabalham com marketing, estudem otimização de buscas, marketing de buscas, medidores de audiência digitais, plataformas de publicidade online, blogs e relacionamento nas redes sociais.

A internet revolucionou a comunicação com as pessoas. Hoje, passamos mais tempo conectados a dispositivos digitais. Nosso tempo está sendo consumido por smartphones, tablets, pcs e demais aparelhos conectados a web.

Conforme dados da ComScore, o brasileiro, está entre os que mais acessam sites de mensagens instantâneasblogs e redes sociais, portanto, o gerente de marketing precisa saber utilizar as ferramentas para se comunicar com esses consumidores e analisar os resultados de suas estratégias digitais.

Dentro da comunidade brasileira no Japão, temos o Publicidade.JP, pioneiro em oferecer o inventário para o gerente de marketing medir os resultados de suas campanhas no meio digital. Com dados de visualizações de campanha de acordo com datas, horários, cliques e porcentagens CTR.

As empresas precisam de mais velocidade nesse mundo digital, pois hoje o acesso está cada vez mais rápido e móvel. Por isso é essencial ter sites customizados para aparelhos como iPhone ou com sistema Android, pois a comunicação deve ser feita com a plataforma que o consumidor está usando. Não perca tempo, pois as taxas de conversão de cliques nos smartphones podem ser 15 vezes maiores. Veja o exemplo abaixo:

Pc x smartphone ctr

View more documents from Dino Slender
PS: Sou parceiro de negócios do site Publicidade.JP

As redes sociais na comunidade brasileira do Japão

Padrão
mixi-twitter-facebook-redes-sociais

mixi-twitter-facebook-redes-sociais

Ultimamente estou pesquisando bastante sobre as redes sociais dentro da comunidade brasileira do Japão. Aliás, analiso toda a comunidade desde 1990, quando cheguei no arquipélago nipônico.

O que mais me fascina neste estudo é que temos uma oportunidade incrível de vivenciar essa experiência fascinante da mistura de culturas totalmente opostas que foram feitas num país ocidental. Nossos avós foram para o Brasil levando uma tradição milenar para se juntar ao povo (carnavalesco) brasileiro. Nós, os descendentes de segunda, terceira e quarta gerações, viemos carregando toda essa diversidade prestes a explodir nessa ilha, que não é mais a cultura fechada de quando nossos antepassados emigraram para o país tupiniquim.

Ironia do destino, pois nossos avós, apesar de terem sofrido muito nos campos e ferrovias, experimentaram a sensação de viver num país sem tradição e aberto a novas culturas. Ao contrário de muitos de nós, que aprendemos a viver dentro de uma colônia fechada e rígida, mudamos para esta ilha, que antes era respeitada pela eficácia e qualidade, mas que agora está envolta de problemas políticos, comerciais e culturais.

Um dos grandes problemas do povo japonês é sua escrita importada da China. Quase tudo aqui é importado do país vermelho, até comida. Isso dificulta muito o acesso aos mercados internacionais. Diferente do Brasil onde usamos o alfabeto e todas as suas letras, por aqui tudo é conjugado em sílabas e não soletram algumas delas, que contém o L ou V. Curiosamente, a marca Louis Vuitton é famosíssima por aqui. Acredito que os franceses souberam aproveitar bem essa deficiência.

Qual a relação dessa escrita com as redes sociais?

1. Os japoneses vão levar mais 20 anos no mínimo para se adaptarem ao alfabeto completo. Fazendo com que empresas internacionais tenham que se adaptar a eles traduzindo seus sites ou se associando aos empresários locais, mudando alguns conceitos globais dos negócios.

2. Devido a algumas tecnologias muito avançadas terem sido lançadas no Japão primeiro, os jovens acabam se isolando por aqui e não interagem com o mundo ocidental, como no caso dos telefones 3G. E acabaram tendo que criar produtos específicos para a comunidade daqui, a exemplo do Mixi.jp

3. Poucos são os empresários japoneses que se destacam a nivel global, pois o sistema educacional nipônico, não incentiva a criatividade para desenvolver-se globalmente. Para se sobressair, é preciso estudar no exterior, principalmente nos EUA. Diferente dos brasileiros que mesmo estudando nas precárias escolas públicas, ainda assim conseguem ser contratados por gigantes do setor de TI.

Chegando agora no nível comunidade brasileira, onde os jovens não são incentivados a estudar, muitos falam com vocabulário restrito,  poucos sabem as regras gramaticais básicas e alguns aprendem somente o japonês. Sentiremos os efeitos daqui alguns anos se nada for feito para que eles entrem em redes sociais para discutir idéias e formar opiniões com fundamentos.

As redes sociais vieram para mudar a forma de distribuição de informação no mundo. Antes pagávamos para ler o que as grandes empresas nos forçavam a engolir todos os dias. Agora, escolhemos qual a fonte e quanto de tempo vamos dispor para com tais informações. Isso faz com que todos nós sejamos os provedores de conteúdo para as pessoas e empresas.

Redes como o Youtube, que nos trazem novos talentos de qualquer parte do mundo, mesmo que seja um gato que pule dentro de uma caixa. Twitter, que propaga em segundos uma informação que pode vir de qualquer celular na terra ou no espaço. Facebook, que engloba todo tipo de diversão, informação e conexão. Linkedin, que conecta todos os níveis do mundo corporativo e empreendedor. Blogs, que conectam escritores aos leitores informalmente sem a necessidade de aguardar a impressão de um capítulo de livro em papel. E o próprio Google Docs que conecta documentos as pessoas e as pessoas aos documentos sem a necessidade de uma impressora, tinta ou papel.

Estamos numa transição de conectividade e precisamos fazer algo pelos nossos jovens que só aprenderam a jogar fazendinha virtual e não entenderam que as sementes devem ser plantadas na sua mente e não na tela do computador.