Mortes no trânsito

Padrão

40 mil mortes no Brasil em 1 ano

Imagine o “Itaquerão” lotado. Ou toda a população de Jacarezinho. Este é o número de mortes por acidentes de trânsito no país da Copa. Número que gera R$ 40 bilhões em gastos para os cofres públicos de acordo com José Viegas, Secretário Geral do ITF. Está aí um dos motivos de revolta quando alguma cidade “ganha” 1.000 empregos por conta da instalação de uma montadora de veículos que retorna em possíveis óbitos em alguma outra cidade brasileira.

É um contraste muito grande sair do Japão, que tem 1 carro para cada 2 habitantes e apenas 10% do número de mortes. E ver as notícias de acidentes num país como o Brasil, que tem metade da proporção.

De acordo com Luiz Flavio Gomes, os passos para diminuir esses números são os seguintes 1) Educação, 2) Engenharia (das estradas, das ruas e dos carros), 3) Fiscalização, 4) Primeiros socorros, 5) Punição e 6) Consciência cívica e ética do cidadão (EEF + PPC).

O que eu presenciei em pouco tempo de Brasil é que os números (1) e (2) não estão sendo cumpridos de forma intensiva. Partindo para o (3) e pulando para o (5). O (6) é um problema cultural, bem mais difícil de se resolver.

Acredito que com educação e engenharia das estradas e ruas, melhoraríamos bastante o trânsito. Em consequência, teríamos menos stress e aumentaríamos a produtividade do país. Quando isso vai acontecer por aqui?

Anúncios